Home / Saúde e Bem Estar / Gravidez segura: a importância dos exames pré-natais

Gravidez segura: a importância dos exames pré-natais

O pré-natal é um um acompanhamento médico realizado a partir do momento em que a mulher descobre ou suspeita que está grávida até o nascimento do bebê. Para algumas mulheres, a importância do pré-natal é bastante clara, mas infelizmente é negligenciado por grande parte das mulheres, principalmente pelas mais necessitadas.

O pré-natal inicia-se pela consulta a um médico ginecologista, que confirmará a gravidez e agilizará os primeiros exames clínicos e de imagem. Os exames pré-natais são importantes para garantir uma gestação tranquila e a saúde do futuro bebê. Mas quais seriam esses exames?

Hemograma

Importante para avaliar se a gestante tem algum processo anêmico, quadro que pode ser agravado durante a gravidez. Também demonstra qualquer processo infeccioso e/ou inflamatório em desenvolvimento.

Tipagem sanguínea e Coombs indireto

As mulheres gestantes que são Rh negativos necessitam cuidado especial, pois podem ser sensibilizadas numa primeira gravidez se tiverem um filho Rh positivo. Nesse caso, o teste de Coombs indireto irá indicar se a mulher está sensibilizada. Para que tal fato não ocorra, deve-se realizar a vacina após o nascimento do bebê, para que não sejam produzidos anticorpos anti-Rh.

Exame VDRL

VDRL é um exame de sangue para diagnosticar sífilis que, infelizmente, tem ressurgido com força total no mundo todo. Pode passar despercebida, já que o sinal clínico inicial (úlcera genital) regride espontaneamente, fazendo com que a pessoa possa conviver com a doença por muitos anos.

É uma doença congênita grave, podendo levar a malformação do bebê (lesões ósseas, danos neurológicos irreversíveis e/ou morte uterina). Caso o teste seja positivo, deve ser confirmado com o FTA-ABS, que é mais específico para diagnóstico da sífilis.

Glicose

Durante o período gestacional, a mulher pode desenvolver uma intolerância à glicose, podendo levar a um quadro de Diabetes mellitus. A redução da sensibilidade à insulina é observada em diferentes estágios da vida e é considerada fisiológica na puberdade, nos processos de envelhecimento e na gravidez.
Uma complexa adaptação ocorre durante a gestação, envolvendo alterações na sensibilidade à insulina, discreta elevação da glicemia principalmente após as refeições, mudanças nos níveis circulantes de lipídios.

Tais alterações não são consideradas sintomas de doença, uma vez que representam uma adaptação metabólica para o adequado fornecimento de energia para o feto e um preparo do organismo materno para o momento do parto e para o período da amamentação.

Parcial de urina e urocultura com antibiograma

Com estes exames poderá ser diagnosticada a infecção urinária, quadro muito comum durante a gravidez. Como a gestante tem uma tendência a desenvolver infecção sem sintomas, é imprescindível a realização do exame de parcial de urina pelo menos a cada três meses.

Isso porque que a infecção urinária pode levar à um quadro de pielonefrite (infecção renal), que é mais grave e necessita internação para tratamento com antibiótico endovenoso. A cultura de urina irá determinar qual o microrganismo causador e o antibiograma quais os antibióticos mais indicados para o tratamento.

HIV

Devido à possibilidade de transmissão do vírus para o bebê, deve ser feito sua pesquisa nos testes pré-natais. Com o tratamento gratuito e eficaz, a prevalência do HIV tem aumentado muito e causado preocupação mundial. Sabe-se que, se diagnosticada precocemente, a doença pode ser controlada, o tratamento é iniciado rapidamente e a chance de transmissão ao bebê é minimizada. O teste mais indicado é a pesquisa de anticorpos anti-HIV.

Hepatites

Os quadros virais de hepatite constituem causas infecciosas importantes, que podem trazer risco à gestante e ao bebê. Dentre os principais tipos a serem pesquisados no exame pré-natal temos as hepatites A, B e C.

A hepatite C constitui desafio importante, visto que pode ser silenciosa e demorar muito tempo para se manifestar clinicamente. Os exames sugeridos são anti VHA (IgG e IgM), HBsAg, anti-HBc total e anti VHC.

Os anticorpos IgG estão associados com doença pregressa (passada) e os IgM com doença aguda (atual), porém a interpretação do resultado não é tão simples e deve ser sempre realizada pelo médico. Cabe salientar que a hepatite E demonstra relevância no terceiro trimestre gestacional.

Citomegalovírus (CMV)

Vírus extremamente comum na população, causador de doença assintomática ou levemente sintomática, maior responsável por doenças congênitas, podendo gerar diminuição da atividade cognitiva do bebê.

Como tal manifestação pode ser tardia, em casos de gestantes com infecção pelo citomegalovírus recomenda-se acompanhamento médico até os 5 anos de idade. Os exames sugeridos são CMV IgG e IgM.

Rubéola

Outro vírus extremamente comum, a maioria das pessoas já apresentou esse quadro clínico, normalmente associado com febre, mal-estar, dores e manchas no corpo. Doença que promove imunidade protetora, ou seja, que temos apenas uma vez.

A mulher que pretende engravidar só deve ser vacinada sob orientação médica. A vacina também pode gerar resultados falso-positivos nos exames laboratoriais, por isso sempre que for o caso o laboratório deve ser informado. A infecção pelo vírus da rubéola no primeiro trimestre gestacional pode causar danos sérios ao bebê, principalmente neurológicos. Os exames sugeridos são Rubéola IgG e IgM.

Toxoplasmose

Outro agente extremamente comum, esse parasita (protozoário) pode causar infecção congênita extremamente séria. Deve-se tomar muito cuidado com a alimentação (evitar carne mal cozidas e lavar bem frutas e verduras), higienizar bem as mãos e, caso possua, levar o gato ao veterinário para avaliar a possibilidade de doenças e tratá-las. Há risco, quando a doença é aguda, de aborto espontâneo, parto prematuro e malformações congênitas. Os exames mais indicados para triagem são Toxoplasmose IgG e IgM.

Importante!

Salientamos que os exames laboratoriais devem ser interpretados pelo médico responsável, que poderá correlacionar as informações obtidas durante a entrevista (anamnese) e exame físico, resultando no diagnóstico final.

Durante a gravidez (especialmente no primeiro trimestre), qualquer alteração (dor, mal-estar, febre baixa, …), deve ser rapidamente reportada ao médico, para que possa ser avaliada e, caso necessário, seja tomada alguma medida terapêutica adequada.

Posts Recentes
Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Not readable? Change text. captcha txt

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Tireóidemicoses